É a inflamação do tendão. Pode ocorrer em várias partes do corpo, como: ombros, cotovelo, punho, joelho. Os tendões ligam o osso ao músculo e assim ocorrem os movimentos do braço, dedos, pernas, etc. Quando estes tendões se inflamam o movimento da região afetada fica comprometido.

Temos a tendinite de ombro, mais conhecida como tendinite do supra-espinhoso, que é um músculo importante do ombro; tendinite patelar (no joelho); tendinite no calcanhar e tendinite nos punhos ou cotovelos.

O que causa a tendinite?

Mais comumente, é um acidente ou excesso de uso, o que mais se vê é a tendinite decorrente de ações repetitivas no trabalho ou excesso de treino nos atletas.

A pessoa que tem tendinite começa com um desconforto na região, que vai piorando de acordo com a sua atividade; evoluindo para uma região com dor, principalmente, quando faz movimento. Após a dor, freqüentemente aparece o inchaço, além de poder ocorrer à perda dos movimentos da região afetada.

Quem tem problema de tendinite no punho, vai apresentar perda dos movimentos das mãos e dificuldade para mexer o braço, pois vai faltar força muscular. Por causa da dor a tendência é que a pessoa não mexa o braço, assim enfraquecendo-o e diminuindo a movimentação do cotovelo e do ombro, gerando uma grande tensão muscular na região do ombro e pescoço.

Quando a tendinite é no joelho ou pés, o quadro é o mesmo: dor, inchaço local, perda de movimento, dificuldade para andar, perda de força muscular, tensão muscular nas costas. Isto tudo faz com que a pessoa pare com suas atividades profissionais e esportivas por incapacidade funcional.

O que a pessoa sente?

Primeiro a pessoa começa com um desconforto na região do pescoço ou da lombar, um incômodo muscular. Depois vem a dor, espasmos ou contratura muscular (o cliente fala: “travei” ou “fiquei travada na cama” ou “estou com torcicolo, ou estou com uma dor de cabeça tremenda, enxaqueca”).

A partir daí, a dor vêm com mais força e a pessoa começa a ter dificuldades no dia-a-dia para fazer suas atividades pessoais e profissionais; adotando posturas erradas para não ter ou diminuir a dor. Isto leva a perda de força e alongamento muscular, a região dolorosa fica “travada” ou com espasmo muscular, a pessoa sente “fisgadas” na perna ou “formigamento” pelo braço, tudo em decorrência da hérnia discal.

Por que praticar Pilates?

O Pilates vai contribuir atuando nas conseqüências da tendinite, ou seja, fazendo fortalecimento muscular; devolvendo equilíbrio para andar; fazendo alongamento da musculatura das costas; vai preparar a pessoa para fazer o seu trabalho ou atividade esportiva para não desencadear a tendinite. Ou ainda, atuará na causa da tendinite quando, por exemplo, o problema estiver em desequilíbrio ou uma maneira errada de andar devido à má postura ou um desvio na coluna (escoliose).

Muitas vezes o cliente já faz fisioterapia e procura o Pilates para fortalecimento do corpo.